Casa de Tejupeba e Capela do Engenho Colégio

Casa de Tejupeba e Capela do Engenho Colégio

Itaporanga da Ajuda, Sergipe, Brasil

Arquitetura religiosa

A Casa de Tejubepa foi, em sua origem, uma residência de padres da Companhia de Jesus que, em 1601, obteve por sesmaria duas léguas de terras, onde deveriam trabalhar na catequese de indígenas. Adquirida posteriormente por particulares, denominou‐se Engenho Colégio, e depois Fazenda Iolanda. Dentre os engenhos remanescentes em Sergipe, é sobre este que se conhecem as mais remotas referências. Do conjunto do antigo engenho, há atualmente a casa‐grande e a igreja de imponente proporção, implantadas perante um pátio onde há um pequeno cruzeiro em madeira. A igreja tem o corpo da fachada enquadrado por duas torres, contendo três portas de entrada e cinco janelas ao nível do coro, coroado por frontão e arrematado por volutas. As torres têm a porção superior em forma sextavada e terminação em bulbo. A volumetria externa denuncia a distribuição espacial da igreja, composta por uma nave ladeada por corredores, capela‐mor e sacristia. Na nave não há elementos decorativos, enumerando‐se apenas o coro, dois púlpitos, seis tribunas e os dois altares que ladeiam o arco‐cruzeiro, sem maior expressão artística. A sacristia, com dois pavimentos, abraça toda a capela‐mor. Os corredores laterais abrem para o exterior por meio de arcadas, que estão hoje parcialmente emparedadas. Ao nível das tribunas também há arcadas vedadas por alvenaria, algumas possuindo bandeiras de madeira e vidro. A presença destas arcadas nos corredores laterais é constatada, igualmente, em outras igrejas de Sergipe. A casa‐grande está composta por dois volumes, diferenciados pela implantação em alinhamentos distintos. Seu volume principal tem dois pavimentos e coberta em quatro águas. Na fachada principal destaca‐se o balcão corrido com estrutura de madeira e guarda‐corpo vedado por painéis em taipa. Ao centro deste volume eleva‐se um terceiro pavimento que funciona como uma grande água‐furtada, iluminando a sala localizada no andar superior. A conotação arquitetónica do outro volume que constitui a casa‐grande demonstra sua função secundária, levando a supor tratar‐se de um acréscimo posterior. Por seu valor histórico e arquitetónico, este conjunto foi classificado pelo IPHAN, em 1943.

Maria Berthilde Moura Filha

Loading…